caveiras contadoras

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Cientistas usam a Terra para descobrir vida alienígena

Novo método utiliza a Terra como modelo e aumenta precisão das técnicas de identificação de vida em outros planetas

Astrônomos usaram a própria Terra para aumentar a precisão dos modelos que procuram pela vida em outros planetas. Os cientistas analisaram a radiação terrestre refletida pela Lua como se estivessem estudando um planeta fora do Sistema Solar e concluíram... que existe vida na Terra. A "descoberta" mostra que a técnica poderá ser usada na procura por ambientes semelhantes fora do Sistema Solar. O trabalho será publicado em março na revista britânica Nature.

ESO



A Lua aparece acima do VLT, o maior telescópio ótico do mundo, no deserto do Atacama, no Chile
Lâmpada brilhante — A técnica tira vantagem do bate-rebate da luz entre estrelas, planetas e satélites naturais. No Sistema Solar, o Sol ilumina a Terra e essa radiação é refletida para a superfície da Lua. Por sua vez, a superfície lunar atua como um espelho gigante e reflete a radiação terrestre de volta à Terra. Os métodos tradicionais analisam apenas o quão brilhante é a radiação ao ser rebatida pelos corpos celestes. Ao ser refletida inúmeras vezes, a luz vai perdendo intensidade. Contudo, é muito difícil dizer se a luz observada vem da estrela ou foi refletida pelo planeta, daí a imprecisão. "A radiação emitida por um planeta distante é muito fraca em relação ao brilho da sua estrela, por isso ela é muito difícil de analisar. É um pouco como estudar um grão de poeira que se encontre ao lado de uma lâmpada muito brilhante", diz Stefano Bagnulo, do Observatório Armagh, na Irlanda do Norte, e coautor do estudo.

Ao rebater em diferentes astros, a radiação é capaz de absorver informações específicas que denunciam as características dos lugares onde passou. No caso da Terra, essas informações se traduzem na presença de água, nuvens, vegetação e moléculas necessárias à vida. Para identificar com grande precisão a diferença entre a radiação que sai da estrela e a que é rebatida pela Lua, em vez de analisar apenas quão brilhante é a radiação refletida, os cientistas agora estudaram sua polaridade.

Sem dúvidas — Dizer que a radiação é polarizada significa dizer que ela tem uma orientação específica, como se todos os elementos da luz estivessem apontados para a mesma direção. Na radiação não polarizada, os elementos da luz estão desorganizados. Ao fazer essa diferenciação, os cientistas conseguem dizer exatamente de onde a radiação vem — da estrela, planeta ou refletida pelo satélite natural. "A radiação refletida pelo planeta é polarizada enquanto que a radiação emitida pela estrela não é", explica Bagnulo. O método, segundo os autores, não deixa margem de dúvidas sobre as informações que apontam para a presença de vida na Terra.

ESO/L. Calçada


Bate-rebate: Analisar a polarização da luz solar refletida pela Terra permite mais precisão na busca por sinais de vida. O modelo será utilizado para analizar a luz refletida por outros planetas fora do Sistema Solar
A equipe utilizou o Very Large Telescope, o maior telescópio ótico do mundo, do Observatório Europeu do Sul, para estudar a radiação emitida pela Terra após a reflexão pela Lua, tal como se a luz viesse de um exoplaneta. Eles conseguiram deduzir que a atmosfera terrestre é parcialmente nublada, que parte da superfície se encontra coberta por oceanos e — mais importante ainda — que existe vegetação. A equipe conseguiu inclusive detectar variações na cobertura de nuvens e na quantidade de vegetação em épocas diferentes, correspondentes a diferentes regiões da Terra. Como a técnica identificou com sucesso a vida na Terra, os especialistas esperam que ela tenha o mesmo sucesso ao analisar a luz refletida por mundos fora do Sistema Solar.

Vida simples — "Este trabalho é um passo importante para atingirmos a capacidade de detectar vida fora da Terra", diz o coautor Enric Palle, do Instituto de Astrofisica de Canarias, na Espanha. A nova técnica poderá dizer se há vida vegetal — baseada em processos de fotossíntese — em outras partes do universo. Contudo, "não estamos à procura de homenzinhos verdes ou evidências de vida inteligente", diz. É que a técnica permite apenas a procura por formas mais simples de vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ULTIMAS POSTAGENS

Postagens populares

Seguidores

Total de visualizações de página

MELHORES DO YOU TUBE

Loading...

Arquivos do blog

A TERRA E A LUA AGORA

Minha lista de blogs