caveiras contadoras

terça-feira, 2 de julho de 2013

FUNERAL VIKING



Na Escandinávia pré-cristã, existiam duas formas básicas de enterro: os de cremação e os de inumação (sepultamento do corpo). O primeiro tipo abundava principalmente na Noruega, Suécia e Finlândia. As inumações eram mais frequentes na Dinamarca e na ilha sueca de Gotland. Nos dois tipos de enterro, os corpos eram conservados com a roupa do uso cotidiano, e estavam providos com pertences e utensílios. As práticas funerárias, assim como os rituais religiosos, variavam conforme a classe social e a região da Escandinávia. Quanto mais rico o indivíduo, mais elaborado o funeral e maior a quantidade e qualidade dos objetos depositados no jazigo mortuário. Nas cremações, o corpo que ia ser incinerado era vestido e adornado com jóias e os objetos. A queima era feita em uma grande pira. Os ossos incinerados e as jóias fundidas eram recolhidos. Em outras regiões, as cinzas eram simplesmente espalhadas pelo buraco ou chão. Na Suécia, os restos queimados eram separados e colocados em um recipiente de cerâmica, que era enterrado num buraco e cobertos com um montículo ou demarcados com pedras. Em sepulturas encontradas recentemente na ilha sueca de Gotland, alguns objetos incomuns foram encontrados. Nas câmaras mortuárias femininas, foram depositados fósseis animais (geralmente cabeças de peixes), interpretadas como amuletos de fertilidade e feminilidade. Nas sepulturas masculinas, abundavam machados feitos de âmbar. Quando um guerreiro Viking morria, realizava-se o ritual do nábjargir: fechava-se os olhos e bocas e as narinas tampadas. Uma anciã, conhecida como o “anjo da morte”, lavava as mãos e o rosto do defunto, penteava seus cabelos e o vestia com suas melhores roupas. Uma das mais famosas descrições de funerais dos escandinavos foi fornecida por outro explorador árabe, Ibn Fadlan (em 922). Quando ele chegou no lugar que ia ser enterrado um chefe dos Rus (Vikings da área do Volga, atual Rússia), viu um formoso navio que havia sido preparado, cercado por uma fogueira. A embarcação estava repleta de armas, cadeiras e camas de madeira trabalhada. O corpo do rei (que estava sendo preparado há 10 dias) foi levado para o interior do navio e colocado num belo leito. Depois, um grande número de cavalos, cães e vacas foram sacrificadas e seus corpos esquartejados foram jogados dentro do navio. A família pergunta às escravas e servos quem deseja se unir ao morto, e uma mulher aceita. Ela é preparada e lavada e participa de festas e bebidas. Em uma tenda armada próxima ao funeral, a escrava escolhida teve relações sexuais com vários guerreiros presentes. No navio, ela é estrangulada por dois homens, enquanto a mulher conhecida por “anjo da morte” fura suas costelas com uma adaga. Um parente do morto sai da multidão e ateia fogo na madeira, incendiando todo o conjunto fúnebre. Após tudo ter se tornado cinza, uma estaca com inscrições rúnicas escreve o nome do homem morto.

 FONTE: supermasterblogs.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ULTIMAS POSTAGENS

Postagens populares

Seguidores

Total de visualizações de página

MELHORES DO YOU TUBE

Loading...

Arquivos do blog

A TERRA E A LUA AGORA

Minha lista de blogs